Pages

Subscribe:

Ads 468x60px

19 de outubro de 2011

Tratamento Biomédico do Autismo


O acompanhamento nutricional é imprescindível no tratamento do autismo.
Os autistas costumam apresentar:
Disbiose intestinal decorrente de alergias alimentares e contaminação de fungos e bactérias,
Grande permeabilidade intestinal prejudicando a digestão podendo ocasionar carências nutricionais,
Deficiência enzimática para hidrolisar (quebrar) determinadas proteínas e por conta disso e da permeabilidade intestinal as proteínas não são digeridas adequadamente e ultrapassam a barreira intestinal, chegando a corrente sanguinea, atravessando a barreira hematoencefálica e agindo como opiáceos aumentando assim, os sintomas autísticos como insensibilidade a dor, irritabilidade, comportamentos inadequados, entre outros;
Disbiose intestinal devido a um crescimento de fungos, deficiência de nutrientes, intoxicação por metais tóxicos
Deficiência na metilação não deixando que os neurotransmissores funcionem adequadamente e podendo causar sintomas como transtorno do défict de atenção (TDAH) e insônia,
Deficiência de sulfatação, acumulando metais tóxicos que não conseguem eliminar do organismo sem que os mesmos sejam devidamente quelados .
O nutricionista saberá traçar um plano alimentar e saberá modular as deficiências de nutrientes com suplementação de forma adequada de acordo com as necessidades individuais de cada criança que se encontra dentro do espectro do autismo.
É importante a retirada do glúten e da caseína porém a dieta deve ser seguida mensalmente pelo nutricionista, que saberá orientar corretamente quais alimentos retirar e substituir e as dietas adequadas no caso de disbiose intestinal, presença de fungos, deficiência de sulfatação e carência nutricional.
“Não devemos permitir que uma só criança fique em sua situação
atual sem desenvolvê-la até onde seu funcionamento nos permite
descobrir que é capaz de chegar. Os cromossomos não têm a última
palavra".
Reuven Feuerstein
O Autismo é tratável!
DrªJaqueline Araujo
Nutricionista CRN4 11101020

0 comentários: