Pages

Subscribe:

Ads 468x60px

8 de janeiro de 2013

Sugestões de Atividades Pedagógicas: TDAH







                                                                    
Santos (2009) traz sugestões para Intervenções do Professor no sentido de ajudar a criança com TDAH a se adequar melhor à sala de aula:

*  Deve-se proporcionar uma boa estrutura, organização e constância (exemplo: sempre a mesma arrumação das cadeiras ou carteiras, programas diários, regras claramente definidas).
* Colocar a criança perto de colegas que não o provoquem, perto da mesa do professor, na parte de fora do grupo.
* Encorajar freqüentemente, elogiar e ser afetuoso, para que os alunos não desanimem facilmente.
* Procurar dar responsabilidades que possam cumprir fazendo com que se sintam necessárias e valorizadas.
* Iniciar sempre com tarefas simples e gradualmente mudar para mais complexas.
* Proporcionar um ambiente acolhedor, demonstrando calor e contato físico de madeira equilibrada e, se possível, fazer os colegas também terem a mesma atitude.
* Proporcionar trabalho de aprendizagem em grupos pequenos e favorecer oportunidades sociais.
* Trabalhar em grupos pequenos, buscando atingir melhores resultados acadêmicos, comportamentais e sociais.
* Manter comunicação com os pais, pois geralmente, eles sabem o que funciona melhor para o seu filho.
* Proporcionar mudança do ritmo ou o tipo de tarefa com frequencia para eliminar a necessidade de ficar enfrentando a inabilidade de sustentar a atenção, e isso vai ajudar a auto-percepção.
* Dar oportunidades para movimentos monitorados, como uma ida à secretaria, levantar para apontar o lápis, levar um bilhete para o professor, regar as plantas ou dar de comer ao mascote da classe.
* Reconhecer as deficiências e inabilidades decorrentes do TDAH, fazendo adaptações necessárias. (Exemplo: se a atenção é muito curta, não deve esperar concentração em uma única tarefa)
* Dar recompensa pelo esforço, persistência e o comportamento bem sucedido ou bem planejado.
* Trabalhar com exercícios de consciência e treinamento dos hábitos sociais da comunidade.
* Avaliação continua sobre o impacto do comportamento da criança sobre ela mesma e sobre os outros ajuda bastante.
* Proporcionar contato aluno/ professor, permitindo um “controle” extra sobre o aluno na execução da tarefa, possibilitando oportunidades de reforço positivo e incentivo para um comportamento mais adequado.
* Colocar limites claros e objetivos; tendo uma atitude disciplinar equilibrada e proporcionar avaliação frequente, com sugestões concretas e que ajudem a desenvolver um comportamento adequado.
* Fornecer instruções claras, simples e dadas uma de cada vez, com um mínimo de distrações.
* Não segregar o aluno que talvez precise de um canto isolado com biombo para diminuir o apelo das distrações.
* Fazer do canto um lugar de recompensa para atividades bem feitas em vez de um lugar de castigo.
* Desenvolver um repertório de atividades físicas para a turma toda, como exercícios de alongamento ou isométricos.
* Proporcionar intervalos previsíveis sem trabalho que o aluno pode ganhar como recompensa por esforço feito, aumentando o tempo da atenção concentrada e o controle da impulsividade através de um processo gradual de treinamento.
* Perceber se há isolamento nas atividades recreativas barulhentas, pode indicar dificuldades de coordenação ou auditivas que exigem uma intervenção adicional.
* Preparar com antecedência para as novas situações, pois tem sensibilidade em relação às suas deficiências e facilmente se assusta ou se desencoraja.
* Trabalhar com métodos variados (som, visão, tato), entretanto, novas experiências envolvem muitas sensações (sons múltiplos, movimentos, emoções ou cores), e provavelmente irá precisar de tempo extra para completar a tarefa.
* Reconhecer que os alunos com TDAH necessitam de aulas diversificadas, modificando o programa para que o aluno senta conforto.
* Ter comunicação constante com o psicólogo ou orientador da escola, ele é a melhor ligação entre a escola, os pais e o médico.
* Substituir as aulas monótonas aulas mais estimulantes que venham prender a atenção do aluno. Utilizar recursos variados que não são habituais na sala de aula (informática, experiências, construção de maquetes, atividades desafiadoras de criar, construir e explorar.
* Procurar trazer os alunos para perto do quadro, podendo acompanhar melhor o processo educativo, se está conseguindo acompanhar o ritmo, ou se é necessário desacelerar um pouco.
* Fazer um roteiro das atividades do dia, para que o aluno perceba as regras pré-definidas e que todos devem cumpri-las.
* As tarefas devem ser curtas, para que ele consiga concluir a tarefa e não pare pela metade, o que é muito comum.
* Não utilizar cores muito fortes na sala e na farda como amarelo e vermelho, cores fortes tendem a deixar os alunos mais agitados, excitados e menos atentos. Procure colocar tons mais neutros e suaves.
* Possibilitar a saída do aluno algumas vezes da sala para levar bilhetes, pegar giz em outra sala, ir ao banheiro, assim estará evitando que ele fuja da sala por conta própria.
Elogiar o bom comportamento e as produções, ajudando a elevar sua auto-estima.
Utilizar uma agenda de comunicação entre pais e escola, evitando que as conversas se dêem apenas em reuniões.
* Aproveitar as aulas de educação física como auxílio na aprendizagem dos alunos que parecem ter energia triplicada (ginástica ajuda a liberar a energia que parece ser inesgotável, melhora a concentração com exercícios específicos, estimula hormônios e neurônios, a distinguir direita de esquerda já que possuem problemas de lateralidade que prejudicam muito sua aprendizagem).



1 comentários:

Rosemeide Ferreira disse...

Parabéns pelo seu blog
É lindo!!!!
NOVIDADES EM MEU BLOG
dê uma passadinha lá
bjs
magiadeensinar.blogspot.com